domingo, janeiro 20, 2019

A BÍBLIA E A CRIAÇÃO


 1 – INTRODUÇÃO

      O propósito da Bíblia conforme 2 Tm 3.15 é a instrução para salvação. John Stott destaca que a Bíblia não tem um direcionamento científico, literário ou filosófico. Qualquer que seja a área referenciada na Bíblia, esse conteúdo é expressão da verdade.

    Se a ciência é precisamente conceituada e a Bíblia for bem interpretada, não há choques conceituais porque o autor da Bíblia é o autor do universo. Não podemos colocar qualquer teoria acima da revelação bíblica.

     Os meios de comunicação, as universidades e quase toda a sociedade não admitem o criacionismo, um artigo, uma notícia criacionista não encontra espaço de divulgação. Toda a defesa pública, acadêmica e escolar é evolucionista solidificada em cima de uma teoria e não uma lei.

2 – NO PRINCÍPIO

Gn 1.1: No princípio, criou Deus os céus e a terra.

     Cremos na Trindade Pai, Filho e Espírito Santo (Mt 3.16). Deus criou o universo com suas leis que são imutáveis e transcendentais. A base de todo o universo é o tempo, o espaço e a massa. Essa tríade subsiste também em tri-unidade. O tempo é passado, presente e futuro. O espaço é comprimento, largura e profundidade. A massa é energia, velocidade e fenômenos.

     O versículo inicial da Bíblia, Gn 1.1, faz a abertura bíblica com uma dimensão revelada que não encontramos em nenhuma literatura científica, ou seja: “No princípio” = tempo; “os céus” = espaço e “terra” = massa.

3 – A PORÇÃO SECA

Gn 1.9: Disse também Deus: Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num só lugar, e a apareça a porção seca.

     Interessante em Gn 1.9 é que apareceu a “porção seca” e não plural. Isso leva um grupo de estudiosos a pensarem, principalmente os criacionistas científicos que, Deus criou um continente único (Pangeia) e não muitos continentes como hoje.

4 – O DILÚVIO

Gn 7.9: entraram para Noé, na arca de dois em dois, macho e fêmea, como Deus lhe ordenara.

     Poucos animais básicos entraram na arca, selecionados geneticamente e encaminhados por Deus, a função de Noé era orientar os animais para entrarem na arca. Os insetos e seres das águas logicamente não eram necessário entrarem na arca, desta forma a diversidade de animais voltaria consequentemente.

Gn 7.11: ...nesse dia romperam-se todas as fontes do grande abismo, e as comportas dos céus se abriram.

     Esse grande fenômeno alagou a porção seca, dividiu o continente (Pangeia) provocando compressões, criando os continentes atuais e um relevo de área menor e alturas maiores.

CONCLUSÃO

     As teorias são apenas teorias. Cremos em Deus criador de tudo do nada. Se diz até que pouca ciência afasta a pessoa de Deus, muita ciência aproxima essa pessoa de Deus.

No youtube você encontra muita informação sobre criacionismo científico. Indicamos o cientista brasileiro Adauto Lourenço. 


A graça do Senhor Jesus seja conosco.


Otoniel Medeiros

terça-feira, janeiro 08, 2019

CRISTÃO COM DEPRESSÃO, PODE?


Otoniel M. de Medeiros

“Por que você está assim tão triste, ó minha alma?” (Sl 42.5).

INTRODUÇÃO

      A depressão tem sido chamada também de doença da alma, considerada a tristeza do mundo todo numa pessoa só. Escrevemos esse texto baseado no livro Depressão e Graça de Judith Kemp que, em 1977, mergulhou nesse profundo abismo de depressão.

      Judith Kemp é missionária no Brasil desde 1967 é casada com Jaime Kemp. Fundaram a Missão Vencedores por Cristo, ministério voltado para o discipulado de jovens por meio da música e das artes. Em 1998 seu esposo fundou a Associação Lar Cristão (voltada principalmente para edificação à família. É enfermeira, palestrante e escritora.

      A história da igreja também relata o mesmo tipo de sofrimento enfrentado por cristãos como: John Bunyan (autor do livro O peregrino), Martinho Lutero (líder da Reforma Protestante), Hudson Taylor (o grande missionário que não escondia suas experiências de andar com Deus no escuro), George Mueller (missionário inglês usado por Deus mesmo em meio a crises de depressão), Amy Carmichael (missionária), C. S. Lewis (escritor) e Charles Spurgeon (pregador).

      Judith Kemp passou um ano deprimida e escreveu esse livro 23 anos depois, curada pela dimensão da graça de Deus. Nosso objetivo aqui é procurar entender pessoas que entraram por esse túnel escuro e assustador, cristão ou não, que há uma forte mensagem de esperança na Palavra de Deus também de cura para depressão.

POR QUÊ?

      Judith Kemp relata que tinha tudo para uma vida normal, feliz, mas não tinha uma resposta para a causa da depressão. Não tinha respostas. Tinha sim, muitas perguntas. A questão mais desalentadora é que a depressão não tinha razão de ser. A depressão, pela experiência dos que sofrem ou já passaram por esse vale de dores, é que não afeta apenas a alma. Ela invade todas as áreas da vida.

      “Somos corpo, alma e espírito (1 Ts 5.23). Uma parte não pode ser separada do todo. Problemas emocionais causam problemas físicos, e vice-versa. Também creio firmemente que as pessoas deprimidas têm grande necessidade de apoio, de assistência emocional e espiritual”. Consequentemente um tratamento está associado ao outro.

      A depressão pode ser um agente facilitador para o mal enviar suas setas inflamadas contra o debilitado, o doente (Ef 6.16), que pode ser também sob a forma de pensamentos vindos do inferno, são formas de dardos inflamados do Maligno. O uso do escudo da fé é indispensável. “Devemos levar as cargas uns dos outros sem o peso de ter que resolver o problema”. Judith Kemp considera algumas pessoas bíblicas que passaram por momentos deprimidos, como:  Davi (Sl 42), Jonas (Jn 4.3), Elias (1 Rs 19), Jeremias (Jr 20.18) e Jó (10.1).

CONCLUSÃO

      Judith Kemp testemunha a sua cura que foi uma obra da graça de Deus, graça preciosa e restauradora do Senhor Jesus, real e abundante.

      A missionária Kemp tira uma conclusão: “Logo me lembro, porém, de como me sentia e reconheço que uma das razões de Deus ter me confortado durante meu sofrimento foi para que depois eu pudesse confortar outras pessoas (2 Co 1.3-4)”.

Martins – RN, 08 de janeiro de 2019

Na surpreendente graça do Senhor Jesus Cristo,

Otoniel Medeiros