sábado, dezembro 31, 2011

LÍNGUA DESCONHECIDA

I Co 14.2:  “Porque o que fala em língua desconhecida não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala mistérios.”

        Creio na vigência atual dos dons espirituais, ou dons extraordinários, conforme a Bíblia Sagrada. Eu nunca falei em língua desconhecida mas, como vi muitas pessoas cristãs sinceras, éticas falarem, tenho a ousadia de escrever sobre este assunto. Considero um lado muito bonito na expressividade deste dom e também tomando como base o relato de pessoas dedicadas que mostra a dimensão do dom, podendo ter outro, mas destaco:

1.    Quem fala em língua desconhecida fala somente a Deus (I Co 14.2).
2.    Entendo que, quem fala em língua desconhecida, está orando a Deus, louvando a Deus, dando ações de graças a Deus, fala das grandezas de Deus (At 2.11).
3.    Pessoas me relataram que em momentos especiais de oração em grupo alguém orava em língua desconhecida e outro irmão que não tinha nenhum talento poético ou até escolar interpretava de forma poética aquela oração, numa expressão de louvor a Deus, que extrapolava todos os recursos intelectuais humanos.
4. O pastor Eustáquio Lopes da Silva, um dos pioneiros da organização da Igreja de Cristo, falou para igreja local, Igreja de Cristo no Alecrim - Natal - RN, na década de 1960, que em certa noite ajoelhou-se para orar e dormir com o destaque que orava em língua desconhecida e, quando se levantou, notou que dia estava amanhecendo: passou uma noite em oração e não percebeu.

CONCLUSÃO


     Concluo que a oração em língua estranha é uma oportunidade doadora de Deus ao crente para que este o adore numa expressão acima da limitação intelectual humana. Possa ser que que tenha outras possibilidades, mas de acordo com 1 Co 14.2, é uma comunicação da pessoa para Deus e não o contrário.
 

Nosso abraço e tenhamos todos um ano novo sempre melhor no Senhor Jesus Cristo.

Otoniel Medeiros
31/12/2011

7 comentários:

Reflexões teológicas disse...

As línguas em 1 cor tem como alvo a edificação. Toda motivação que esteja fora deste fundamento, é duvidoso. Abraço Mestre!

Djalma Pereira disse...

Prezado Pr Otoniel, a graça e a paz do Senhor. Quem fala em líguas estranas, genuinas, é o Espírito quem fala em mistérios, as línguas (gr.glossolalia)do céu, dos anjos (1ª 13.1; Co 14.1), quando o Espírito quer falar e edificar a Igreja, uso outro dom que é o de "interpretação de línguas" (gr.Glota), como está em At 2.7-8, e 1ª Co 14.5,13,26,27,28. O Apóstolo Paulo orienta assim:"13 Pelo o que, o que fala em língua estranha, ore para que a possa interpretar".1ª Co 14.13. Então, deve-se orar mais até receber. o dom de interpretação, para ver o gosto que tem e edificar a igreja pela a revelação soberana de Deus. Fraternalmente. Pr Djalma

Discipulos de Cristo disse...

Entendo que a língua estranha é um dom para ser usado de pijama e a profecia um dom para ser usado de palito. O dom de linguas precisa de interpretação caso aconteça em uma reunião na igreja, que na maioria das vezes isso não acontece. O único beneficiado é quem fala, pois o que fala em línguas edifica a si mesmo. A língua estranha poderá acontecer em forma de oração, de canção e palavras proféticas, sendo que no caso profético deve estar dentro do prisma da correção, edificação e consolação (cf. 1Co.14:3) e a oração dessa forma, edifica a fé de quem esta nesta comunhão íntima com o Espírito Santo (cf.Judas vs.20¬). No momento da oração, acontece a simultaneidade da oração mental com a espiritual, é exatamente nesta oração mútua que somos ajudados nas nossas fraquezas, pois não sabemos orar como convém, mas o Espírito intercede por nós lado a lado, amalgamando-se entre a oração mental com a espiritual (cf. Rm.8:26; 1Co.14:14-15).
O apóstolo Paulo não proibia a Igreja de falar em línguas, desejou até mesmo que todos chegassem a falar, sabendo que isso poderia causar uma grande confusão em uma reunião se todos falassem ao mesmo tempo (1co.14:16; vs.23-24), portanto, prefere que em uma reunião ser usado em uma linguagem que venha abençoar a todos os que estão presentes (1Co.14:19), e acalma os que falam em línguas, dizendo que fala mais línguas de que todos os demais, e se isso acontecer que sejam um, dois, e os outros interpretem. A linha do apóstolo é edificação.
Considerando ainda o que o apóstolo Paulo ainda ensina:
a) As línguas é um sinal para o incrédulo – (1Co.14:22) parece contrastar com o que foi dito acima.
b) Já as profecia não é para os incrédulos – (1Co.14:22), elas não é para serem desprezadas, mas examinadas se realmente procedem de Deus dentro das fronteiras da correção, edificação e consolação – (1Ts.5:20)

Romildo Gurgel

Djalma Pereira disse...

Oh! Pr Romido,obrigado por seu sábio ensino,com base bíblica. Nesse assunto,eu gosto muito do ensino apostólico em 1ª Co 14.25-27,assim: (...) os segredos do seu coração se tornam manifestos; e, prostrando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, declarando que Deus está verdadeiramente entre vós.v26 Que fazer, pois, irmãos? Quando vos congregais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem línguas, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação".(...)v27b "e por sua vez, haja interprete". Toda glória seja dada ao Pai,que enviou o Consolador, ao Filho que pediu que o Espírito Santo permanecesse conosco para sempre, ao Espírito Santo que concede os Dons Espirituais. (Ler Jo 14.16-18,26; At 1.4-8;2.1-13; 1ª Co 12.1-11; 14.1ss). Fraternalmente. Pr Djalma

Djalma Pereira disse...

Oh! Pr Romildo, obrigado pelo seu cometário com base bíblica. Gosto muito do ensino do apóstolo Paulo, assim: "v25 os segredos do seu coração se tornam manifestos; e assim, prostrando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, declarando que Deus está verdadeiramente entre vós.v26 Que fazer, pois, irmãos? Quando vos congregais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.v27 Se alguém falar em língua, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e cada um por sua vez, e haja quem interprete". Glória ao Pai nos enviou o Consolador; glória ao filho que pediu ao Pai para o Espírito Santo ficasse conosco para sempre, e ao Espírito Santo que nos concede "os Dons espirituais". Amém.(Ler:Jo 14.16-18,26; At 1.1-8; 2.1-13; 1ª Co 12.1-11; 14). Fraternalmente. Pr Djalma

Fernando disse...

Observa-se que muitos cristãos estão ministrando incorretamente abusos doutrinários e falam em línguas ao mesmo tempo, geralmente se vê pelo Youtube,. Entendo que querem mostrar um aval do Espírito Santo para aquilo que estão dizendo, para convencimento atribuindo a Deus. Veja como pensam errado.

Nota-se que o dom tem uma fragilidade quando não é usado de forma correta (por isso é o menor dos dons). Ele pode ser manipulado por outras pessoas quando ele mesmo não interpreta a própria língua e ainda não se nivelou , mas observa uma tendência indutiva de outras pessoas no ambiente e termina pensando que é a vontade de Deus o que está se misturando com o externo (é como uma influência de psicologia de massa). A oração pessoal em línguas ou sem línguas deve ser sempre em reservado como uma experiência pessoal.
Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus. I Co 14:28

Fernando disse...

Complementando para destacar. Se a pessoa falar em linguas consigo e com Deus, da mesma forma que se entra no quarto e fecha a porta, tem todas as garantias da fidelidade de uma interpretação real e verdadeira.